quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Atividades escolares para o Natal 2014

Estamos nos aproximando do Natal, e muitos professores buscam na Internet atividades para realizar com seus alunos. Eu separei as minhas preferidas, espero que alguma delas seja útil:



Imagem em http://files.www.fleetfeetmurfreesboro.com/Bob_Parks_Christmas_Children.jpg

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Dia Nacional da Consciência Negra

Fonte: MEC
No dia 20 de novembro, comemora-se em todo o país o Dia da Consciência Negra. A data foi escolhida como uma homenagem a Zumbi dos Palmares, líder do Quilombo dos Palmares, que morreu neste dia lutando pela liberdade do seu povo no Brasil, em 1695.

Em 2003, a Lei 10.639 incluiu o Dia Nacional da Consciência Negra também no calendário escolar, tornando obrigatório o ensino sobre diversas áreas da história e cultura afro-brasileira nas escolas. O conhecimento e a inserção da cultura negra na grade curricular são fundamentais para combatermos e abolirmos de vez o preconceito.

Porém uma data é pouco para lembrar. Mas que o dia 20 de novembro, Dia Nacional da Consciência Negra, seja uma oportunidade de amplificar esse canto, como propõem o capoeirista Mestre Toni Vargas. "A cultura afro-brasileira é a prova viva da força negra em nossa sociedade", diz o geógrafo Irineu Martinho dos Santos, do Núcleo de Consciência Negra da Universidade de São Paulo. "Valorizá-la é uma oportunidade de crescimento pessoal, além de dever enquanto cidadão brasileiro, não só no dia 20 de novembro".

A data de hoje foi instituída como marco para a conscientização da luta negra na sociedade brasileira. A escolha foi baseada na morte de Zumbi, líder do Quilombo dos Palmares, que foi elegido símbolo da resistência negra no período escravocrata. "Zumbi virou um ícone da nossa luta, mas não é possível reduzir o movimento a ele", comenta Irineu. "Sua figura é inclusive questionada por muitos historiadores, que relatam a presença de escravos no próprio Quilombo". Para o geógrafo, os heróis da conscientização para a causa negra são muitos, e ainda entre nós:
"São todos os escravos que, forçados a abandonar sua terra, resistiram e enraizaram suas culturas aqui; são todos os contadores de histórias africanas, em todos os continentes; são todas as meninas que, apesar da pressão esmagadora do padrão estético, ignoram o tal "cabelo ruim" e não alisam seus cachos; são todas as mães que perderam seus filhos na mão de policiais movidos pelo preconceito e pela violência; são todos aqueles que, diariamente, se vêem marginalizados por uma sociedade excludente e que ainda não assume a cultura negra como parte de um todo".
Fontes:
educarparacrescer.abril.com.br/aprendizagem/serie-musica-semana-742719.shtml?utm_source=redes_educar&utm_medium=facebook&utm_campaign=redes_educar#41

https://www.facebook.com/hashtag/dianacionaldaconsci%C3%AAncianegra?source=feed_text


#‎DiaNacionalDaConsciênciaNegra

Revista África e Africanidades


A REVISTA ÁFRICA E AFRICANIDADES existe desde maio de 2008 e vem preenchendo destacado espaço na vida cultural e acadêmica brasileira, pois é um dos poucos periódicos nacionais inteiramente dedicado a temas africanos, afro-brasileiros e afro-latinos que agrega conteúdos acadêmicos, de informação, entretenimento e subsídios para a prática pedagógica e pesquisas escolares da educação básica.

É um periódico on-line com publicação trimestral com acesso totalmente gratuito. Nascida da iniciativa de um grupo de professores, pesquisadores, estudantes, técnicos e especialistas, a partir de julho de 2010 passou a ser um produto da EDITORA TIMBUKTU.

Vale a pena conhecer a revista e acessar o acervo:
http://africaeafricanidades.com.br/index.html


Africanidades brasileiras e educação

Este documentário aborda as africanidades brasileiras em ambientes formais e não-formais de aprendizagem, na perspectiva de potencializar positivamente a presença negra na sociedade brasileira, e também a construção de uma pedagogia voltada para a compreensão, a valorização e o respeito às culturas africanas e afro-brasileiras.

Como historicamente percebe-se uma minimização das temáticas das africanidades, muitas vezes vistas como secundárias em relação às temáticas “universais” ou outras, é importante destacar a compreensão acerca da amplitude da vida humana e suas diversas expressões: de etnia, de gênero, de inserção social e cultural, de condição econômica, de aparência física, das chamadas deficiências...


Negro Drama

Para assistir e refletir...




Filmes sobre a cultura negra

Uma boa pedida para tratar sobre a cultura negra na escola é através de filmes. Você pode selecionar trechos para assistir com os alunos ou usar os trailers dos filmes.

Confira uma lista com 10 filmes que estimulam a reflexão sobre a situação do negro no Brasil e no mundo, feita pelo Brasil de Fato:
1.Faça a Coisa Certa (Spike Lee – 1989)
2. Hotel Ruanda (Terry George - 2004)
3. A Outra História Americana (Tony Kaye – 1998)
4. Malcolm X (1992)
5. A Negação do Brasil (Joel Zito Araújo – 2001)
6. Quanto Vale Ou É Por Quilo? (Sergio Bianchi – 2005)
7. Ao Mestre Com Carinho (1967)
8. Agosto Negro (Samm Styles – 2007)
9. Bróder (Jeferson De – 2011)
10. Histórias Cruzadas (Tate Taylor – 2012)

O meu preferido nessa lista é Histórias Cruzadas, pela delicadeza e força com que aborda a exploração das mulheres negras nos anos 60 do século XX:

Dandara dos Palmares

Dandara foi esposa de Zumbi, guerreira de Palmares e mãe de Motumbo, Harmódio e Aristogíton. Descrita como uma grande heroína, Dandara dominava técnicas da capoeira e lutou ao lado de homens e mulheres nos muitos combates do Quilombo dos Palmares. Com muita coragem, ela liderou batalhas e participou diretamente de forma política e estratégica de cada uma delas.

O Dia da Consciência Negra, foi escolhido por coincidir com a morte de Zumbi dos Palmares. Mas também é um dia para lembrar Dandara e todos os líderes que lutaram em prol da igualdade no nosso país. De Zumbi muitos já ouviram falar, mas há inúmeros outros líderes negros que não entraram nas páginas dos nossos livros escolares, pois apesar da escravidão no Brasil ter durado quase 400 anos, grande parte deste momento histórico foi apagado das páginas da História Oficial.

Não se sabe o local de seu nascimento e nem qual era sua ascendência africana, mas acredita-se que se estabeleceu ainda criança em Alagoas, no Quilombo dos Palmares, uma comunidade que durou mais de 100 anos e que chegou a abrigar mais de 20 mil negros foragidos das fazendas.

Líder nata, Dandara chegou a se opor contra os termos do Tratado de Paz assinado por Ganga-Zumba (tio de Zumbi) e pelo governo português, que estabelecia que os negros livres ficariam livres e que os escravos voltariam a ser escravos; pois defendia junto com Zumbi, que a liberdade é para todos, tanto faz se é um negro livre, um escravizado, um mestiço ou um índio.

Suicidou-se depois de presa, em 6 de fevereiro de 1694, ao ser capturada e levada como escrava após a destruição da Cerca dos Macacos, que fazia parte do Quilombo dos Palmares, por não aceitar ser escravizada.


Para saber mais:



Fontes:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Dandara
http://anagabigabriela.blogspot.com.br/2011/10/dandara-dos-palmares.html



Documentário: Atlântico Negro - Na rota dos Orixás

Dica TV Escola

Este documentário aborda fatos históricos sobre as grandes afinidades culturais que unem os dois lados do Atlântico: Brasil e África. Ele foi exibido o Festival Internacional de Cinema de Cannes em 1999, foi filmado na África (Benin) e no Brasil (Maranhão e Bahia). O documentário faz uma viagem no espaço e no tempo em busca das origens africanas da cultura brasileira, partindo das mais antigas tradições religiosas afro-brasileiras: o Candomblé, da Bahia, e o Tambor de Minas, do Maranhão. Na Rota dos Orixás transporta o espectador para a terra de origem dos orixás e voduns, o Benin, onde estão as raízes da cultura jeje-nagô.
"O documentário trata da riqueza cultural africana, sobretudo sua religiosidade. Exibe rituais e trajes típicos. Os africanos trouxeram para o Brasil os mestres da agricultura tropical e da criação de gado extensiva. Ele cita a religião dos orixás, muito ligada à noção de família. O tráfico de escravos da África para o Brasil durou 350 anos. Mais de 4 milhões de negros foram embarcados na costa africana com destino à Bahia, Maranhão, Pernambuco, Rio de Janeiro, São Paulo e Rio Grande do Sul. O Chachá Francisco Félix de Souza foi o maior traficante de escravos da costa atlântica da história. Há uma admiração e respeito recíprocos entre o Brasil e a África, bem como um grande entrosamento cultural."



Luis Nicolau escreveu uma resenha interessantíssima. Vale a pena ler:
http://www.afroasia.ufba.br/pdf/afroasia_n21_22_p367.pdf


Fontes:
https://aricostajunior.wordpress.com/2007/06/09/resenha-atlantico-negro-nas-rotas-dos-orixas/
http://www.afroasia.ufba.br/pdf/afroasia_n21_22_p367.pdf
http://tvescola.mec.gov.br/tve/video?showTrailer=true&idItem=7276&
http://g1.globo.com/sp/vale-do-paraiba-regiao/noticia/2014/11/centro-da-juventude-de-s-jose-exibe-documentario-atlantico-negro.html

Literatura Infantil sobre a cultura afro-brasileira

Dica A Taba

A literatura nos aproxima de diferentes culturas e ajuda a compor a identidade de um povo.  Além de nos aproximar de hábitos, valores e costumes, amplia o nosso olhar e contribui na construção de um mundo com espaço de liberdade e convivência entre os diferentes. A equipe da Taba fez uma seleção de livros:
"... coletâneas de narrativas provenientes da tradição oral de diferentes povos africanos, biografias de importantes líderes e pequenos contos que abordam a questão da identidade da criança afro-brasileira de maneira sensível e inteligente."
Alguns eu já conheço e utilizei com meus alunos (é só procurar aqui no Bloguinfo). Outros eu pretendo conhecer. Clique sobre os títulos para ler a resenha e comprar online:

Para saber mais:
http://leituraemrede.com.br/blog/dicas-de-livros-infantis-para-celebrar-a-cultura-afro-brasileira-2/

Literatura afro-brasileira e africana - 14 dicas de livros

Não tem maneira melhor para conhecer
 uma cultura do que com os livros!
Dica Educar para Crescer

A literatura é uma ótima alternativa para abordar os conteúdos sobre a História e Cultura afro-brasileira e africana nas nossas escolas.
O pessoal da Educar para Crescer separou  14 dicas de livros recomendados para pais, filhos e professores sobre o tema. Clique nos links e saiba mais sobre as obras:

1. Menina Bonita do Laço de Fita - Ana Maria Machado
2. Luana, A Menina Que Viu O Brasil Neném - Oswaldo Faustino, Arthur Garcia e Aroldo Macedo
3. O Menino Marrom - Ziraldo
4. Lendas da África - Júlio Emílio Brás
5. Terra Sonâmbula - Mia Couto
6. Meu avô um escriba - Oscar Guelli
7. O Cabelo de Lelê - Valéria Belém
8. A varanda Do Frangipani - Mia Couto
9. Bia na África - Ricardo Dregher
10. Avódezanove e o segredo do soviético - Ondjaki
11. Tudo Bem Ser Diferente - Todd Parr
12. Diversidade - Tatiana Belinky
13. Num tronco de Iroko vi a Iúna cantar - Erika Balbino
14. Amanhecer Esmeralda - Ferréz

Saiba mais:
http://educarparacrescer.abril.com.br/leitura/12-dicas-literatura-afro-brasileira-africana-729395.shtml

Lei nº 10.639/2003 - História e Cultura Afro-Brasileira


Imagem  Educar para Crescer
Todas as escolas brasileiras deveriam trabalhar com seus alunos conteúdos relacionados à história e à cultura afro-brasileiras. Desde o início da vigência da Lei nº 10.639, em 2003, a temática afro-brasileira se tornou obrigatória nos currículos. Apesar disso, a maioria dos alunos ainda não conhece a contribuição histórico-social dos descendentes de africanos ao país.

A Lei nº 10.639/2003 acrescentou à Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) dois artigos: 26-A e 79-B. O primeiro estabelece o ensino sobre cultura e história afro-brasileiras e especifica que o ensino deve privilegiar o estudo da história da África e dos africanos, a luta dos negros no Brasil, a cultura negra brasileira e o negro na formação da sociedade nacional. O mesmo artigo ainda determina que tais conteúdos devem ser ministrados dentro do currículo escolar, em especial nas áreas de educação artística, literatura e história brasileiras. Já o artigo 79-B inclui no calendário escolar o Dia Nacional da Consciência Negra, comemorado em 20 de novembro.

No Brasil, a presença de afrodescendentes é marcante na cultura, na formação da população, na economia, entretanto a ascendência africana e a história do negro neste país não têm a visibilidade merecida na sociedade

Música: Navio Negreiro - Mestre Toni Vargas


Para aprender mais sobre a cultura negra, o capoeirista Mestre Toni Vargas, sugere a música "Navio Negreiro":
A capoeira, um dos elementos mais marcantes da cultura afrobrasileira, é também símbolo da resistência negra contra a dominação escravocrata. Nos cantos dessa luta, aparecem retratos das mazelas vividas pelo povo negro, que saiu da "terra mãe distante" e viveu um processo de "perder o brio". A ideia de sofrimento, mas também de resistência coletiva, é reforçada pela presença do coro, que remete em conjunto à "tumba flutuante", o navio negreiro.

Navio negreiro

Tumba flutuante
Terra mãe distante 
Dor e desespero


Navio negreiro


Segue a nau errante 
Singrando saudades 
África distante
Ouça meus cantares


Navio negreiro


Mãe que perde o filho

Rei perde rainha
Povo perde o brio 
Enquanto definha

Navio negreiro


Para saber mais acesse a página da série "Música da Semana": http://abr.ai/1qXotBb


quarta-feira, 12 de novembro de 2014

Guirlandas para o Natal

Para enfeitar as portas das salas de aula, separei algumas ideias. A minha preferida é a de fotos, e pensei em fazer com as fotos das crianças:



Veja mais em

Pinheiros de Natal com Sucata

Adoro trabalhar com sucata. E encontrei ótimas ideias para fazer com os pequenos. São ideias simples e possíveis:




Veja outras ideias em

Pinheiros de Natal - Pintura

Você já pensou em fazer um concurso de pinturas natalinas? Separei os pinheirinhos que mais gostei. Qual é o seu favorito? Deixe a imaginação rolar e pinte com seus alunos...






Veja mais em 

Modelos de Papai Noel

Separei alguns modelos de Papai Noel para fazer com as crianças. Todo o ano eu gosto de fazer um modelo diferente. Escolha o seu:





Compartilhe