sábado, 6 de outubro de 2007

::Índice mede discriminação digital no Brasil ::

A Rede de Informação Tecnológica Latino-Americana (RITLA), em parceria com o Instituto Sangari e o Ministério da Educação, divulgou no último dia 7, o Índice de Discriminação Digital (IDD), que aponta a situação das regiões e dos estados brasileiros no que diz respeito ao uso das novas tecnologias da informação e da comunicação. O índice está apresentado na publicação Mapa das Desigualdades Digitais, de autoria do sociólogo Julio Jacobo Waiselfisz.

O trabalho, que tem como base dados recentes do IBGE, oferece um quadro abrangente da situação da exclusão digital no Brasil e apresenta um conjunto de considerações e recomendações sobre essa situação.

O índice considera três dimensões – as desigualdades em função das diferenças entre as diversas regiões do país, as desigualdades socioeconômicas entre os indivíduos e as estratégias de superação dessas desigualdades, como centros gratuitos de acesso à Internet e escolas – e seis indicadores, todos relativos a desigualdades, como no uso de internet em casa, no uso da rede em geral, de situação econômica, de situação social, de acesso gratuito e de acesso na escola. O índice contempla também a relação entre categorias como de população branca e negra e rica e pobre.

O estudo aborda a suficiência e o sentido dos avanços dos últimos anos. Aponta que as desigualdades digitais reproduzem e reforçam as desigualdades existentes na sociedade. Nos dois indicadores utilizados – Internet domiciliar e uso de Internet – nota-se uma distribuição territorial desigual: 14,7% da população brasileira de 10 anos de idade e mais morava, no ano de 2005, em domicílios com acesso à Internet.

Acesse aqui o Mapa das Desigualdades Digitais 1.80 Mb

Para ler a notícia na íntegra, clique aqui.

Fonte: RITLA

Outros posts sobre o assunto:



2 pessoas deixaram comentários!:

Natania Nogueira disse...

Ótima reportagem!
Repassei para alguns amigos.
:-)

Renata Aquino disse...

Muito boa dica! Vou repassar no Yahoo! Busca Educação ok?

Compartilhe